A mente por trás do empreendedorismo

Coordenadora de Fomento ao Empreendedorismo e Inovação, Tônia Mansani destaca-se por programas que impulsionam os micro e pequenos empreendedores locais

Por Fernando Rogala / Foto de André Waiga

Na noite de 5 de junho último, durante um evento em Brasília (DF), o prefeito Marcelo Rangel (PSDB) foi chamado para receber o prêmio Sebrae Prefeito Empreendedor. Na oportunidade, a ferramenta Sala Digital foi reconhecida como o melhor projeto da região sul do Brasil na categoria “Políticas Públicas Para o Desenvolvimento dos Pequenos Negócios”. Ao receber o prêmio, Rangel apontou para uma pessoa da plateia e disse: – É dela. A pessoa em questão era Tônia Mansani, coordenadora de Fomento ao Empreendedorismo e Inovação da Prefeitura de Ponta Grossa, responsável por idealizar, executar e implementar o projeto premiado.

Aquele, porém, não foi o único projeto idealizado por Tônia na prefeitura e nem o primeiro a receber um prêmio. A ponta-grossense, formada em Serviço Social e mestre em Engenharia de Produção e Gestão de Negócios, integra os quadros da prefeitura desde 2011, quando passou em primeiro lugar em um concurso e foi convocada para trabalhar no fomento aos Microempreendedores Individuais (MEIs). “No surgimento do MEI, eles precisavam de alguém que tivesse uma visão do empreendedorismo como uma ferramenta de protagonismo. Eu vim para atender a essa exigência e montar um espaço para esses empreendedores, que ainda não existia em Ponta Grossa”, recorda.

Desde então, Tônia esteve à frente de inúmeros projetos promovidos pela Coordenadoria de Fomento ao Empreendedorismo e Inovação (que abriga a Sala do Empreendedor). Entre os principais, estão “Minha Empresa é Legal” e “VOE – Aceleradora de Negócios”, que venceu o prêmio nacional Ozires Silva de Empreendedorismo Sustentável, oferecido pelo Instituto Superior de Administração e Economia (ISAE), da Fundação Getúlio Vargas (FGV). Mas, em vez de se contentar com os louros já conquistados e se acomodar, Tônia já toca novos projetos que deverão vir à luz nas próximas semanas.

“A prefeitura precisava de alguém que visse o empreendedorismo como ferramenta de protagonismo, e eu vim atender a essa exigência” (Tônia Mansani)

SALA DIGITAL
Na origem de tudo, o MEI, na visão de Tônia, é muito mais que a simples formalização de uma empresa: é uma política pública de inclusão social.
Diferente de outras áreas, a Sala do Empreendedor não tem obrigação de existir. O município não recebe verbas para isso. A lei afirma apenas que ele poderá criar espaços de referência. “Antes o olhar era muito voltado ao custo. Diziam: ‘Essas pessoas contribuem muito pouco para o município, porque não pagam alvará, não pagam vigilância.’ Mas é agora que estamos colhendo a política pública implantada há alguns anos”, explica.

Hoje, Ponta Grossa conta com mais de 15 mil MEIs. Desse montante, mais de 9 mil formalizações ocorreram pela Sala do Empreendedor. Ao analisar esses números, Tônia identificou a necessidade de emancipar os empreendedores, para que não ficassem dependentes do espaço. Foi por esse motivo que surgiu a Sala Digital. Longe de ser um mero site, o projeto é a continuidade de uma política pública iniciada em 2014, o programa “Minha Empresa É Legal”, também criado por Tônia. Por meio dele, o MEI assume o compromisso de participar de ao menos três qualificações no período de um ano, para se emancipar. “Foram anos capacitando pessoas”, afirma ela, sublinhando que o projeto atende a um processo de desburocratização previsto em lei.

VOE ACELERADORA
Além de emancipar, é necessário estimular a migração do MEI para microempresa (ME). Em 2017, mais de 1.200 MEIs tornaram-se ME. No mesmo ano, foi criado um projeto para impulsionar essa mudança, a “VOE – Aceleradora de Negócios”, que ajuda os empreendedores a terem uma visão de inovação e a se destacarem no mercado. As acelerações duram quatro meses e recebem turmas de 25 MEIs. Além da qualificação, o próprio contato entre os integrantes propicia um crescimento conjunto. “A VOE não recebe um único real de investimento. Quem sustenta o projeto são os parceiros”, revela Tônia. “É uma disruptura. A ‘VOE’ mostrou uma iniciativa que nem a iniciativa privada tem”, completa.

“Quem sustenta a [aceleradora de negócios] VOE são os parceiros. Ela mostrou uma iniciativa que nem a iniciativa privada tem” (Tônia Mansani)

NOVOS PROJETOS
Três novos projetos foram anunciados em julho. O primeiro é o “Descomplica”, que vai emitir alvarás de forma digital para todas as atividades, com o objetivo de eliminar o processo físico. Os 40 dias necessários para emitir um alvará foram reduzidos a 48 horas, facilitando a ação do empreendedor.

Em agosto deverá ser lançado o “Decola”, com um formato parecido com o do “VOE”, mas voltado a quem ainda não empreende. “Antes de empreender, a pessoa vai analisar as tendências de mercado, ver com o que ela se identifica, para o que ela tem aptidão, fazer a proposta de valor, e aí vai encontrar o seu encaixe e fazer o negócio decolar”, detalha Tônia.

Também está em fase de finalização o programa “De Informal a Empresário Legal”, um projeto pioneiro no país e, tal como os outros, idealizado por Tônia. Uma versão avançada da Sala do Empreendedor será instalada nos dez Centros de Referência de Assistência Social (CRAS) da cidade, fazendo de Ponta Grossa o município com o maior número de Salas do Empreendedor do Paraná.

CONHEÇA OS PROGRAMAS
Sala Digital: saladoempreendedor.pontagrossa.pr.gov.br/sala-digital
VOE – Aceleradora de Negócios: www.pontagrossa.pr.gov.br/voe
Sala do Empreendedor: saladoempreendedor.pontagrossa.pr.gov.br
Telefone: (42) 3220-1000 Ramais 1470 / 1016
Email: saladoempreendedor@pg.pr.gov.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *